sexta-feira, 25 de junho de 2010

...Ainda o Fátima (ida e volta... A Loucura...)


Um dos membros dessa maravilhosa Troica que efectivou o Louco: - Oriente-Fátima-Oriente, enviou-me um mail onde, "tous cours" transcreve uma das muitas conversas que tivemos em Minde, aquando da nossa ida para Fátima, onde fizemos uma pausa, que se queria pequena, mas que acabou por ter mais (muito mais ) de uma hora.
Por lá conhecemos muita gente boa, e, com a ignição das Minis, da Broa e do queijo (Já que não havia torresmos...), fomos mantendo um Bate papo com alguns dos cidadãos dessa vila...
Um deles (...ou pelo menos parte...) está aqui para nos rir-mos e para o arquivo:


BORREGO?

Não, Torresmos.........

À, não sei, já não há quem faça disso hoje em dia, fiz eu durante muitos anos! Isto, que está aqui atrás é tudo meu...

Isto é seu, já estive ali na loja á procura; aquela senhora é sua filha?

É....

Estive lá mas a sua filha não tinha......

Minha filha não, minha empregada.......



ESPECTÁÁÁÁÁCULO...........

ABRAÇÃO.

OBRIGADO RUI!!!

(GR)



segunda-feira, 21 de junho de 2010

Oriente - Fátima - Oriente em BTT (uma pequena loucura)

...Para já, apenas algumas fotos...


Uma de Grupo. Ainda por terras de Lisboa. Fresquinhos que nem uma alface...


O Grande Rui Dias à beira dos pântanos da Azambuja. A boa disposição era/foi a palavra reinante.


Imagem habitual pelos Caminhos do Tejo. Curiosamente, já conhecíamos este pastor ciclista.

Paragem de outros tempos, desta vez não almoçámos à beira do aeródromo de Reguengo.



Foi já à beira de Santarém que encontrámos um grupo numeroso de peregrinos pedonais.


Como era cedo e não queríamos ingerir nada pesado, fomos comer uma "bucha" no McDonald's. Curioso foi o facto, que, para usarmos os vales de desconto que o Rui tinha, obrigaram-nos a ir ao McDrive.


O Compadre com cara de poucos Amigos. Não sei porquê...lololol O "Gajo" Ganhou todos os "piques" que disputou...Apesar de alguma sorte e batota à mistura....lololol



Uma relíquia digna de um qualquer museu do motociclo ou da Bicicleta. No fundo, não é nenhuma delas e é as duas ao mesmo tempo.



Festa de Minde, onde acabámos por parar para descansar e conviver. E onde conhecemos gente curiosa e ouvimos boas histórias, ao mesmo tempo que atestávamos os "depósitos".

A Consagração de MEIA aventura. Faltava-nos o mais difícil... O Regresso.


...Talvez para mais tarde alguns comentários a esta epopeia de 36 horas, em que fizemos quase 300 km´s de salutar BTT. Num misto de Caminhos do Tejo; descobertas de trilhos do Fuga da maria e de novas explorações feitas por nós, em que o Zéi, com o seu grande sentido de orientação nunca nos deixou mal. Foi um fim-de-semana de BTT em cheio. Apesar de algum cansaço acumulado correu tudo muito bem.

Curiosamente, não houve nenhum furo e felizmente, nenhuma queda.


Link's para fotos no Picasa :





GR

Números do Oriente - Fátima - Oriente em BTT (uma pequena loucura)



Números do Oriente - Fátima - Oriente
03 mt Altitude mínima
17,30 h Tempo gasto a andar
17,5 km/h Velocidade média
65 km/h Velocidade Max atingida
129 PPM Frequência cardíaca média
186 PPM Frequência cardíaca Max
300 km’s percorridos
455 mt Altitude Max atingida
3000 mt Acumulado de subida
10400 Kcal Calorias gasta

GR

domingo, 13 de junho de 2010

Fim-de-semana descontraído (3)...


...Quando um homem sonha...

...A máquina avança...

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Fim-de-semana descontraído (2)...


... É (SÓ) para rir...

...Mai nada...




video

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Fim-de-semana descontraído (1)...

...Outra forma de andar de Bicicleta...

...num circulo de amigo(a)s



quarta-feira, 9 de junho de 2010

Caminho de Fátima do "Fuga da maria" - relato JAS

Qué essa merda, Car…..!
Foi assim que começou. Já estava na altura de fazermos a volta a Fátima. Dia 22 e 23 de Maio foi a data escolhida, este ano com a companhia de muitas caras novas, de Fátima, de Mafra e outras da nossa zona, perfazendo um total de 17.
Tudo apontado para às 7h30m, em Alpriate, com alguns minutitos de atraso, uma foto de grupo e lá arrancaram 14 valentes. Nada melhor para começar que um furito no 2ºkm para abrir as hostes. Estes gajos não sabem escolher os caminhos certos…enfim…amadores.
O tempo estava óptimo, sem vento e o piso seco. Boas condições para bater o record de mines buidas.
Tudo a rolar desde Alhandra, com a inclusão de mais 3 valentes. Se bem lembro até à estação da Azambuja, nada de especial se passou. Aí ou um pouco antes, fez-se a primeira paragem para dar ao dente. Começou a aparecer a primeira queixa de falta de ar ou óleo a mais e para isso, nada melhor que uma sandocha de ovo mexido com alface. Outros apostaram na marmelada, barras energéticas e fruta. Quem se esqueceu, o sôr presidente disponibilizava, de entre os 2kgs de produtos milagrosos que carregava.
Depois de mais um acto de rebeldia (este ano saltámos menos 2 vedações!!!), lá entrámos no tomatal do vale de Santarém e aí se começaram a manifestar os primeiros problemas mecânicos: um raio partido, de uma Scotch espectacular que por lá andava, um amortecedor com falta de ar, que se babava todo, de uma reles Especializadaizseze e o problema mais complicado… uma mudança que não entrava, ainda por cima a roda pedaleira maior, duma recente BH bonita, mas não tanto assim.
Bom, como estávamos relativamente perto de Santarém, pensámos em procurar um local para a reparação destes pequenos problemas e se necessário apanhar o Quim de volta para casa, caso o problema do amortecedor fosse realmente grave, como se estava a temer, mas de imediato desmitificado por um telefonema ao grande Cláudio, que percebe mesmo desta cena.
Em Santarém, estava reservado no Taberna do Quinzena o almocinho pá jenti, com um óptimo serviço pós repasto, disponibilizando de garagem para as burras, gelo para cantis e todo o apoio que solicitámos. A ementa resumiu-se a dois pratos bem escolhidos na hora, buida variada, entre as quais o tão falado FIOCO e a boa disposição do maranhal, com anedotas e piadas desde o inicio (apesar do tema ser demasiado duvidoso), com o Choina a liderar o pelotão e com o Toni amuado - houve alguém que andou perdido da malta, pois tomou outro caminho e como pensava que ninguém esperou por ele, decidiu nem atender o telefone, seguindo a máxima de o último vai ter ao ponto de encontro…., mas não era o último. Fica o registo, para uma próxima essas situações serem mais bem combinadas -.
Passadas perto de 2 horas, lá nos metemos ao caminho, fazendo um desvio para a Dechatlon de forma a dar vida ao amortecedor e ver o problema do desviador da frente (entretanto o raio tinha sido substituído, numa loja especializada). Curiosamente e para quem pensava que fui irónico ao descrever a gravidade dos problemas mecânicos atrás mencionados, o desviador foi o que não se arranjou, pois nestes centros a mão de obra especializada escasseia. Em todo o caso a paragem acabou por ser benéfica, pois deu para descansar, dar um pouco mais de tempo à digestão e trazer umas barritas energéticas que o centro ofereceu, além da compra vantajosa que o mercante negociador Ricardo Rosa fez. O Samuel é que pagou e ficou na mesma (foi para compensar a bomba do Ricardo).
Posto isto, lá fomos nós a caminho das subidas e descidas / tascas. E aí o ritmo imposto pelos jovens Luis Matos e Toni da parte da manhã, começaram a trazer reflexos. Mas, devagarinho também se vai longe e também dá sede.
Após uma descida matadora, que conseguiu levar 3 valentes ao tapete, começou a peripécia dos beijinhos…não são esses que se pagam, são mesmos os beijinhos de cumprimento, às meninas das tascas…não são essas tascas antigas que estão a pensar, servidas por uma menina de bigode, são mesmo associações recreativas ou cafés de aldeia, onde trabalham estudantes.
Fizeram-se algumas descobertas, nomeadamente ao estojo de primeiros socorros adquirido no Lidl, não ter qualquer tipo de desinfectante, apenas compressas e porcarias dessas e que a cerveja não deve ser aplicada como betadine.
Tasca, ante tasca, lá chegámos aos Olhos de Água para dar o belo do megulho da praxe. Já perto do destino do primeiro dia, Alcanena, agradável vila de cortumes que cheirava mal comó c…, pernoitámos sem antes termos o belo repasto à nossa espera, composto por galinha com amêijoa, entrecosto frito com arroz de feijão e carne de porco com marisco…qual deles o melhor! …e presenciarmos a vitória do grande Mourinho na final da liga dos shampiõns.
No dia seguinte, às 7h15m, tudo na rua à espera do méne da pensão, que mais uma vez se atrasou, embora desta tenham sido apenas 15 minutos. Estes minutos foram aproveitados para lubrificar as correntes e dar uma limpeza geral à bike (lol, panisgas!!).
Continuando a nossa Fuga da Maria, chegámos a uma bifurcação, quem quiser levar a cruz às costas vai em frente, quem quiser levá-la em cima dela (bonito!!!) segue um GPS. O Rui quando se lembrar da parte que levantou a bike para levá-la no lombo, vai ter uma sensação de arrependimento porque foi nessa subida que nem o protector do desviador traseiro inserido no quadro da Lápiiiê, o salvou de uma pedrada inferior no lado debaixo da peça e lixou, com F, o resto da volta. Bem se tentou desenrascar, mas quando é um problema de junta não há nada a fazer.
Depois da descida numa single bonita, mas perigosa qb, parámos em Minde para o abastecimento de água e a substituição de uma Camara de ar de uma Scotch bué da louca que por lá andava…deve ter sido sabotagem!!. E como os nossos companheiros de Fátima, não nos acompanharam nesse dia, mas disponibilizaram-se para buscar as nossas mochilas a Alcanena, solicitámos mais um frete, parar em Minde e levar o Rui.
A subida de Minde ficou marcada por mais um contratempo, de uma corrente partida, do Manel, que fez o segundo dia connosco. Felizmente o que partiu foi o elo rápido, imediatamente substituído por uma equipa de verdadeiros entendedores da matéria.
Sentia-se uma melhor disposição dos guerreiros à medida que chegávamos e como não há duas sem três, mais um furo na descida do miradouro (moinho) que curiosamente foi no mesmo local do único furo no ano passado. Estes gajos não sabem escolher os caminhos certos…enfim…amadores.
E prontos, chegámos a Fátima, tirámos a foto de família, sem alguns elementos, que se encontravam na casa do povo, onde nos encontrámos para mais uma nova descoberta, o catende.
Mais uns brindes e lá fomos para o Cantinho de São Valentim, onde almoçámos, onde o sôr Presidente Rafael Fonseca entregou os certificados de presença, onde se brindaram mais uns feitos e se agradeceu a presença e a colaboração de todos, sublinhando todo o apoio logístico da malta de Fátima, representantes da Casa do Povo (Beto Choina, Toni, Cabrita e Manel).
Depois das despedidas dos locais e do pessoal que combinou com as famílias, os resistentes foram até à Estação de Fátima. Foi a viagem mais rápida que alguma vez fiz de bicicleta, descendo a velocidades acima dos 80km/h e subidas na ordem dos 20Km/h. Foi a viagem que pela gana, nunca vou esquecer. O ritmo foi tão intenso que o Samuel nem reparou que eu e o Nés tínhamos parado, para búer uma mine, claro.
Mais uma e fomos até à estação onde o Ricardo Rosa nos aguardava, na companhia do Toni e do Cabrita, sem contar com o João Torres e o Samuel que tinham nos acompanhado de bicicleta e claro de mais uma mine desta vez acompanhada duma média.
Depois, foi a viagem com muita animação, que colmatou com um cântico com uma tuna (não sei de onde).
Espectáculo!!
Quando é a próxima?
Um Bem Haja ao Rafael, ao Carlos, ao Miguel e Luis Matos, ao Rui, ao Beto, ao Toni, ao Cabrita, ao Manel, ao Sérgio, ao Ricardo, ao Nés, ao Ricardo Rosa, ao Mário, ao Hélder, ao João Torres, ao Samuel, pela companhia até Fátima desde Sta Iria, para o ano há mais com os mesmo, neste belo grupo que se apelida de Fuga da Maria.
(É só inspiração!! Pareço o Beto.)

terça-feira, 8 de junho de 2010

Treze em um... (com lágrimas nos olhos)


É a primeira vez que faço uma transposição de um comentário a este blog, directamente para um novo post.

...Não me restava outra alternativa...



Treze em um.

Caio de mim,
sozinho,
aqui.
Acomodo-me na serenidade das memórias,
abalo aos poucos
da tona das lidas,
repisadas,
reguladas,
já gastas,
dos gestos secos,
das falas firmes,
peritas e doutas,
aparentes e frágeis
de há muito vazias.
Aconchego-me mais,
Aninho-me melhor
nas lembranças revisitadas.
Daqui,
consigo ainda ver-nos
a colorir a estrada,
cantada,
os caminhos,
os rios,
as pedras,
os riachos,
as serras,
os verdes intensos
e outras ofertas
do nosso grande mago,
lá na frente.
Aqui dentro,
sinto ainda
o fôlego dos treze,
esbatendo-se,
tornando-se uno,
à chegada.

A. Semedo, 8/6/10

P.S. Ao nosso “guarda-rios”, com gratidão do tamanho da vida!

...obrigado...


Já há FOTOS do Caminho com o ARBtt...hi...hi...hi...


...E algumas são de lhe tirar o chapéu...

Parabéns aos artistas!

- Escolhi algumas para este post, inteiramente dedicado a momentos inesquecíveis.

Aqui vão as primeiras...
Semedo's machine :

Ainda em torres Novas, prontos para mais uns quilómetros de asfalto dentro dos veículos motorizados, que tanto nos ajudaram nesta Aventura. Por esta altura a maioria ainda não fazia ideia do que lhe iria surgir pela frente neste périplo de quatro dias, em que o convívio e o pedal foram as acções dominantes.

Fim da primeira etapa, Barcelos.
Prevista estava a paragem em Rates para a pernoita, mas estes bravos cicloturistas peregrinos não quiseram deixar os créditos mal parados e avançaram um bom bocado além do que seria de supor...Ah valentes!!!
O pior veio à noite. Para quem não dispunha de "ões" (tampões e colchões) a noite foi de penar...lolololol


Esta foto, muito para além da qualidade artística, tem um lado "obscuro" de que eu gosto bastante....lolool
Parecem uns cavaleiros vindos do Além(tejo)
Para alguns deles, este momento não passou de um pequeno intervalo para um campeonato de Alter(es) líquidos de decorreu de forma ordeira até altas horas da madrugada...



Os vencedores foram brindados com alguns licores espirituosos, e, não menores, sorrisos da audiência...lololool



Esta.... Bem, esta...
Não sei o que dizer!
Será que está aqui a explicação do mito do Apostolo ?.... Será que foi preciso a presença do Maior clube do mundo; O ARBtt, para que o Santo fizesse a sua aparição?
Será que passados quase mil anos depois das aparições de Santiago o "Mata mouros" nas batalhas entre cristãos e muçulmanos, em que, de forma por alguns considerada anti ecuménica, decepava as cabeças aos infiéis do norte de África, o voltámos a "Ter" ao alcance das nossas mentes ?...
Terei eu que passar a acreditar em MILAGRES?????
lol


É melhor passarmos para as fotos de outra máquina, porque isto está a passar para o campo de metafisica....

"Se sabes que bebes, porque é que te faz mal?...lololol

I have a place in Sobral... Mas BIG!!!

Sem mais comentários adicionais passemos às fotos do nosso GURU da Logística, O Filipe's phone photos :


Respeitável grupo de Peregrinos alentejanos e seus associados, prontos para uma longa jornada de quatro dias em que o bom ambiente foi a palavra reinante....



Mais uma ponte Romana. Por aqui já nos tínhamos cruzado com vários grupos de peregrinos. Muitos estrangeiros a pé e só Portugueses em bicicleta...



Paragem obrigatória antes da abordagem à Serra da Labruja... Sai uma rodada de MINIS!!!






Foto obrigatória em plena Serra da Labruja... O pior já lá ia...





Palavras para quê...



Mais uma do lado de "lá"... Quem é que se lembraria de tirar uma foto à "foto". De captar as sombras dos Gloriosos Cavaleiros do Além (tejo)... Só uma grande personalidade... lololol


...E no Fim...
O merecido descanso dos guerreiros!



GR

segunda-feira, 7 de junho de 2010

...E por aqui começa muita coisa... Caminho Português a Santiago com o ALTER REAL BTT (Junho 2010)


O Alter Real BTT já tem “Compostelanas”


(Nunca é demais relembrar, que: - O Caminho autêntico é aquele que cada um vai fazendo por dentro…)

Ao todo éramos treze; Os 10 novos Peregrinos a Santiago, mais os dois consócios que fizeram o apoio nas viaturas. Saímos do Porto no dia 3 de Junho de 2010, pelas 14 horas, e entrámos na Praça do Obradoiro, cerquita das 12,30 h do dia 6 dos mês dos Gémeos.

Entre estas duas datas sucederam-se muitos quilómetros de salutar convívio pedalante, e não menos enriquecedoras horas de descanso, repasto e confraternização. Todos estes condimentos, e outros que não cabem nestas linhas, fizeram com que esta “Peregrinação” a Santiago de Compostela pelo caminho português, na sua versão por Barcelos, fosse coroada de êxito.

Como é de um Real Clube que falamos, podemos concluir que foram “Honrados Compostelanos” estes nobres Cavaleiros, que de Além Tejo vieram, e que por além Douro avançaram, transpondo algumas tormentas… Por águas agitadas do Ave; Cavado; Lima; Minho e Ulla… Já para não falar (relembrando), da “imortal” Labruja, agora desmistificada por quem lá andou.

Como desta vez não tive hipótese de levar a Máquina fotográfica, fico em ansiosa espera no que toca às aguardadas fotos, para poder com a maior brevidade possível, comentar “À minha maneira”, tais instantâneos da verdade. Ficarão assim registadas nas linhas deste blog as imagens da Grande aventura destes Bravos, que, muito honraram o Clube, a sua região e a própria Pátria.

Espero que, com estas palavras, a moral transborde para patamares ainda mais elevados, para que esta Peregrinação não fique nos arquivos como a única, mas sim como a primeira de muitas que nos esperam.


- PARABÉNS A TODOS!

P.S. -Quando é que é a próxima?

- AH! Já agora, não sei se vos tinha dito?!? – É preciso ter muita CALMA…LOL


João Galvão (o Guarda - Rios)

Números e Tracks do Caminho Português a Santiago com o ALTER REAL BTT (Junho 2010)


TRACK DIA 1 (Porto - Barcelos) : http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=956608

TRACK DIA 2 (Barcelos - Valença) : http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=956618

TRACK DIA 3 (Valença - Padron) : http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=956640

TRACK DIA 4 (Padron - Santiago) : http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=956660


Números do Caminho Português com Alter Real BTT

13,5 km/h Velocidade média
16 mt Altitude mínima
19 h Tempo gasto a andar
58 km/h Velocidade Max atingida
120 PPM Frequência cardíaca média
187 PPM Frequência cardíaca Max
250 km’s percorridos
410 mt Altitude Max atingida
4000 mt Acumulado de subida
11000 Kcal Calorias gastas
GR

terça-feira, 1 de junho de 2010

BAJKAJAK (MACIEJ) - 28 paises em 2 anos

Agora que estou prestes a voltar ao Caminho português para o fazer com um grande grupo de Amigos do Alter Real Btt de Alter do Chão, que debutarão nestas andanças, deixo por aqui um link que já tinha prometido no meu relato anterior acerca da prospecção que fiz o mês passado com o intuito de preparar esta volta que agora se inicia.
Trata-se de um ciclista polaco que conheci na Póvoa de Varzim, e que andava a dar uma volta pela Europa à cerca de dois anos, tendo já passado por 28 países até então.
Para mais pormenores, e digo-vos que vale a pena, consultem os links em baixo, onde, e por procura mais exaustiva, acabei por encontrar uma fotografia da minha pessoa....hi...hi...hi..
Aqui vos deixo algumas fotos que fiz na presença deste verdadeiro aventureiro-atleta, de seu nome: - Maciej






Link's para a Página Web do Maciej (Lê-se machick) : http://www.bajkajak.pl/65,dookola_europy.html



Fotos do Maciej durante a sua passagem por Portugal e pelo caminho Português :
http://www.bajkajak.pl/39_Europa/album/index.htm


GR