sexta-feira, 25 de outubro de 2013

CAMINHO PORTUGUÊS DA COSTA A SANTIAGO (SÉ DO PORTO-MARINHAS, ESPOSENDE-CAMINHA-REDONDELA-SANTIAGO)


Mais um Caminho Português a Santiago de Compostela; - O Caminho Português pela Costa, na versão por São Pedro de Rates, usando o ramal de ligação para Esposende.
Depois desta terra costeira do distrito de Braga, todo o Caminho progride junto à costa, sempre com o Atlântico Norte como referência.
É assim pelo menos até Vigo, onde, usando a Ria de Vigo, interiorizamos para Redondela, e daí, pelo Caminho Português central, via Pontevedra, Caldas de Reis e Padron, até Santiago de Compostela.
Pode ser considerado um Caminho mais fresco, para usar em pleno verão, mas também é, há que dizê-lo, mais duro, e até um pouco mais comprido (cerca de 40 km), já para não falar no cansaço natural que nos é causado pela proximidade com o mar.

Nestes 290 km, passamos localidades bem diferentes das que conhecemos no caminho via Barcelos e Valença, e temos a possibilidade de contornar a feia zona industrial de Porrinho (apesar da nova marcação nesta localidade, que contorna esta zona). Foi assim que depois de Esposende pude visitar Marinhas, onde terminei a minha primeira jornada, ficando a pernoitar no albergue oficial, ao cuidado da Cruz Vermelha, onde fui principescamente tratado. No segundo dia cruzei e visitei Castelo do Neiva e a sua primorosa igreja de Santiago, bastião deste Caminho da Costa, Viana do Castelo, Carreço, Vila Praia de Âncora, Moledo, Cristelo e Caminha. Nesta última vila acabei por fechar o dia (mais um albergue oficial, com todas as condições), já que queria apanhar o Ferry para Espanha (A Guarda), logo pela manhã.
Não posso deixar passar em claro o facto de nesta etapa ter conhecido e ficado Amigo de três grandes Homens e ilustres Peregrinos. Para eles as melhores felicidades e o desejo sincero de que nos voltemos a encontrar pelos Caminhos de Santiago e/ou da Vida. Com Carlos Rios, o "maior" peregrino português, terei por certo mais encontros, pois este "Caminhante" já por "lá" anda há quase dez anos, e andará muitos mais... - Assim ele queira... - No que toca à família Lobo, ao Albino e ao Gabriel.... - Não tenho palavras!
Que desejo será maior, do que um pai fazer algo de que gosta, e poder contar com a presença e companheirismo do(s) filho(s). Foi assim com este pai e o seu rebento de 10 anos. Fizeram o Caminho Português desde Viana do Castelo... - PARABÉNS HERÓIS!
No Terceiro dia, após a travessia do Rio Minho, via ferry, estamos em terras Galegas, da província de Pontevedra, aí fiquei a conhecer A Guarda, Oia, Baiona e Vigo, terminando em Redondela.

O resto - entre Redondela e Santiago de Compostela - já é sobejamente conhecido da maioria, mas pode ser revisitado por AQUI.








Foto-mapa, onde podemos comparar os dois Caminhos referidos, O português da Costa, a que se refere este post, e o Português Central por Barcelos, mais divulgado:



TAMBÉM COM A PARTE ESPANHOLA:







Novo Albergue no Mosteiro de Vairão, no concelho de Vila do Conde, Porto.
A principal justificação para a nova marcação do Caminho Português, em terras do concelho de Vila do Conde.





Antiga estação de caminhos de ferro de Rates. É por esta antiga linha que se inicia o ramal de ligação - quase sempre em estradão plano - entre São Pedro de Rates, no Caminho Português Central e Esposende, no Caminho Português da Costa.




Na abordagem ao concelho de Esposende temos noção da importância dada ao Caminho de Santiago. Passamos a ter inúmera informação, e as marcações estão sempre bem visíveis. Por aqui também podemos avistar vários marcos / padrões de pedra, onde está assinalada a passagem do Caminho da Costa pelo concelho. Como este, passei pelo menos mais quatro, um, o que marca o fim do cruzamento com terras de Esposende, antes de Castelo do Neiva, está no meio de um bosque "encantado".




Albergue de São Miguel de Marinhas, Esposende. Um dos albergues mais acolhedores por onde tenho passado. Também não será por acaso, já que quem trata de tal alojamento é a Cruz vermelha da localidade.




Uma das muitas áreas florestais por que passamos em todo o concelho de Esposende, e depois, já em Castelo do Neiva, a caminho de Viana do castelo.
Nesta imagem estamos em apróximação do Rio Neiva, que faz precisamente a divisão geográfica entre os distritos de Braga (a sul) e Viana do Castelo (a Norte).




Nicho de Santiago na paróquia de Santiago, Castelo do Neiva. 
Este é um pequeno exemplo da entrega das gentes e entidades da região, pelo Caminho Português da Costa.




Uma das muitas Calçadas antigas que proliferam neste Caminho. 
Dá a sensação que não há uma, por onde não passemos. Algumas em bom estado de conservação, outras pelo contrário, completamente destruidas, originando um natural apear, para os ciclistas... 




Ferry boat de passagem, entre Caminha, Viana do Castelo e A Pasaxe, La Guardia, Pontevedra.
Por estarmos num Caminho costeiro somos levados a transpôr muitos dos rios do Norte Português, depois dos já referidos; Cávado e Neiva, dos já transpostos, Douro, Leça e Ave, ainda temos o Lima, em Viana, e o Minho, no qual flutua este barco. 
Já em Espanha, contornamos a Ria de Vigo e continuamos a nortear, cruzando os Rios Lérez, em Pontevedra, o Barosa, no Parque Natural do mesmo nome, o Umia, em Caldas de Reis, O Valga e o Ulla em Padron, onde chegaram os restos mortais do Apóstolo Santiago, maior.




Depois de La Guardia, não mais abandonamos a costa até Redondela. 
Por entre zonas rochosas e agrestes e praias frias da Galiza, é esta a paisagem mais frequênte.




Algures entre Oia e Baiona. 
Muitas vezes em trilhos quase abandonados, outras em ciclovias contiguas à estrada municipal PO-552, esta é uma das partes mais atraentes desta travessia da costa Sul da Galiza.




Uma das vistas que temos sobre Vigo depois de subir a um socalco, onde o caminho se desenrrola por vários quilómetros, antes de voltar a descer para Redondela.
Por aqui podemos ter noção dos interminaveis viveiros de marisco que flutuam na Ria de Vigo, e um pouco por toda a costa Galega, tornando-a uma das maiores produtoras de moluscos, a nível mundial.



6 comentários:

Teresinha agria ascensao disse...

Olá bom dia,
Este ano irei fazer novamente o Caminho Português.Gostaria, pela primeira vez, fazê-lo pela costa, com início em Caminha.
Pode facultar-me as etapas, os albergues disponíveis, se as etapas estão bem sinalizadas e o horário dos ferries?
Grata pela sua atenção.

João Galvão disse...

Olá Teresinha,
Desde já devo dizer-lhe que esta versão do caminho Português é muito agradável e tb tem albergues. Se vai começar em caminha, tem sempre albergues até à junção do caminho em redondela, Tem em Oia, em Baiona, em Vigo, etc, etc... Veja estes Links:
http://www.vialusitana.org/caminho-portugues/albergues/
http://caminhodacosta.wix.com/caminhodacosta

http://www.vialusitana.org/

As etapas, depende muito da sua vontade de andar, e podem ser programadas consoante os albergues...
Quanto ao ferry, acho que não tenho grandes notícias. Desde há mais de uma ano que está parado, e ainda não sei quando é que retoma... Se calhar até já anda, e eu não sei...mas duvido (por causa da falta de desassoreamento). Há no entanto alguns barquitos que fazem a travessia. é um caso para ver em Caminha...Ou ir até Cerveira e atravessar a ponte...
Espero ter ajudado...
Cump, E BOM CAMINHO!!!!!
João Galvão

Patricia Cardoso disse...

Boa tarde.
Estou interessada em fazer o caminho pela costa a partir do Porto, este Verão.
Gostaria de saber quanto tempo demoraria todo o trajeto, pois não tenho muitos dias.

Obrigada!!

Att

João Galvão disse...

Boa Tarde Patrícia,
São cerca de 300 km´s, portanto depende do andamento de cada um, do tempo que quer desfrutar em cada local, das paragens e fotografias - No fundo, da contemplação - Que lhe queira dispensar...
Como estamos a falar de andamentos de bicicleta...
...Há quem faça em três dias, como os há, que demoram 6.
É uma questão de gestão pessoal. Eu costumo usar quatro dias, para fazer os Caminhos portugueses desde o Porto, seja o central, seja este, o da Costa.
Espero ter ajudado. Boas pedaladas e Bom Caminho.
João Galvão

Paulo Miranda disse...

Boas, já fiz o caminho central e espero no próximo ano fazer o da costa, a minha pergunta é, o caminho da costa é feito mais em asfalto ou tem muitos trilhos de terra?
Quais as diferenças e as semelhanças dos dois caminhos?
Obrigado

João Galvão disse...

Boas Paulo,
Traços gerais, os Caminhos que refere são completamente diferentes entre si. Isto claro, até Redondela, já que depois dessa localidade, faz-se a junção.
São diferentes nas paisagens, nos locais, na ambiência e até no ar que se respira. Maioritariamente são fora de estrada, e partes há onde pode optar por andar em asfalto ou pelos pedonais.
Se fez o central, também vai gostar muito do da Costa.
Entretanto, o Ferry já efectua as suas travessias normais. Convém no entanto confirmar os horários.
Espero ter ajudado, BOM CAMINHO!